segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

PLANTA VIRTUAL DA ASBEVE... cremos em Deus!

ESTAMOS TRABALHANDO. É mais ou menos assim que pretendemos que fique o Primeiro Centro Terapêutico para Recuperação de Mulheres de Governador Valadares depois de pronto. Para isto, claro, precisamos também da sua ajuda. Seja você também um(a) parceiro(a) desta importante obra. Ligue para nós e diga-nos em que pode ajudar; doando material de construção, doando a mão de obra dos pedreiros, doando verbas para pagamento das demais despesas, ou fazendo o que consideramos de maior valor em tudo isto: orando em favor desta obra que nasceu no coração de Deus. Para falar com o Pastor Dhennis Wheberth ligue para: (33) 9968.4552 / 8801.4277 / 3084.1378, ou visite-nos no próprio local. Se preferir, deposite na conta da ASBEVE (Associação Beneficente Vida e Esperança) no Banco do Brasil, Agência 2296-9 - Conta Corrente 32.653-4.
"Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma."  (Eclesiastes 9 : 10)

Olha ai o telhado sendo feito... ASBEVE ACONTECENDO COM DEUS NA FRENTE!












sábado, 15 de junho de 2013

COMEÇAMOS A COLOCAR A LAJE

Hoje (15/06/2013) começamos a espalhar a primeira laje da ASBEVE. Trabalharam hoje nesta obra de valor: Wederson, Carlos, Netinho, Edrey, Natan Junior e o Pastor Dhennis. Poderia ficar aqui reclamando das ajudas que não temos tido por parte do poder público e de religiosos. Mas quero fazer diferente: peço a Deus emprestadas as palavras de Esdras, e quero dizer: "Seja notório ao rei, que nós fomos à província de Judá, à casa do grande Deus, a qual se edifica com grandes pedras, e a madeira já está sendo posta nas paredes; e esta obra vai sendo feita com diligência, e se adianta em suas mãos."  (Esdras 5 : 8). OBRIGADO DEUS, POIS ESTAMOS CONSEGUINDO ERGUER A ASBEVE PARA QUE PESSOAS NELA SEJAM RECUPERADAS PARA A VIDA E PARA O SENHOR!

quinta-feira, 23 de maio de 2013

CONSELHO MUNICIPAL ANTIDROGAS DE GOVERNADOR VALADARES - 2013/2015


NOVA LEI ANTIDROGAS - 2013


22/05/2013 20h45 - Atualizado em 22/05/2013 23h43
Deputados aprovam texto principal da nova Lei Antidrogas
Com nova regra, familiares de usuários de drogas poderão pedir internação.
Câmara também endureceu as punições para os chefes do narcotráfico.
Nathalia Passarinho e Fabiano CostaDo G1, em Brasília
A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (22) o texto-base de projeto de lei que autoriza a internação involuntária de dependentes químicos e aumenta a pena para chefes de organizações criminosas voltadas ao tráfico de drogas, a nova Lei Antidrogas.
A votação, no entanto, que incluía a apreciação de emendas e destaques (propostas de alteração pontual) acabou adiada por divergência entre partidos da base governista e da oposição sobre a pauta da Câmara. Para se tornar lei, a matéria ainda terá de ser aprovada pelo Senado e sancionada pela presidente Dilma Rousseff.
saiba mais
Entre outros pontos, o projeto de autoria do deputado Osmar Terra (PMDB-RS) prevê a possibilidade de as famílias ou responsáveis legais de usuários de drogas requererem, mesmo sem o consentimento do dependente, a internação em instituição de saúde para tratamento e desintoxicação. Para que haja a internação à revelia, contudo, será necessário o aval de um médico.
A internação involuntária, um dos pontos mais polêmicos da nova lei antidrogas, gerou uma acalorada discussão em plenário. Os opositores da proposta classificaram esse tipo de tratamento de "repressor" e disseram que a medida contraria o livre arbítrio dos dependentes.
"A questão das drogas tem de passar da esfera da segurança para a saúde", defendeu o deputado Alfredo Sirkis (PV-SP).
Para o autor do projeto, no entanto, a internação involuntária prevista no projeto tem como finalidade principal atender aos usuários que estão nas ruas sem condições de se reabilitar.
"São pessoas que não têm família, dormem nas ruas, perderam tudo e não conseguem trabalhar, vivendo apenas esperando os próximos 15 minutos para usar a droga", disse Osmar Terra.
Pela regra aprovada pelos deputados, a internação involuntária irá se estender apenas pelo tempo necessário à desintoxicação. O projeto ressalva, entretanto, que o tratamento não poderá ultrapassar 90 dias.
Além disso, os familiares ou representantes legais do usuário poderão, a qualquer momento, solicitar aos médicos a interrupção do tratamento. O texto ressalta que as internações voluntárias e involuntárias de dependentes só são indicadas quando os recursos “extra-hospitalares se mostrarem insuficientes”.
O projeto de lei determina ainda que as internações e altas dos dependentes químicos deverão ser informadas, em no máximo 72 horas, ao Ministério Público, à Defensoria Pública e outros órgãos de fiscalização. Apesar de prever a comunicação às autoridades, a proposta de lei assegura o sigilo das informações do paciente.
Devido à ausência de uma proibição legal, o Estado de São Paulo já praticava a internação involuntária. Para suprir essa carência jurídica, a lei aprovada na Câmara autoriza expressamente e regulamenta esse tipo de tratamento para dependentes químicos.
Penas para traficantes
O projeto de lei aprovado na Câmara prevê tornar mais dura a punição para os chefes do tráfico de drogas. O texto determina que quem exerce o “comando individual ou coletivo” de organização criminosa voltada ao tráfico de entorpecentes poderá ser condenado a penas que variam entre 8 e 15 anos de prisão em regime fechado. Atualmente, a punição para quem vende, fornece, fabrica, importa ou exporta drogas é de 5 a 15 anos.
A proposta especifica que organização criminosa é a associação de quatro ou mais pessoas ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, com o objetivo de obter, “direta ou indiretamente”, vantagem de qualquer natureza, “mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 anos, ou que sejam de caráter transnacional”.
O capítulo que trata da elevação das penas aos traficantes criou um impasse. Na primeira versão do projeto, o deputado Osmar Terra havia proposto o endurecimento das penas inclusive para os pequenos traficantes. Mas o relator da matéria, deputado Givaldo Carimbão (PSB-AL), modificou o texto, enquadrando com penas maiores apenas os chefes do narcotráfico.
Na visão de Terra, a prisão dos traficantes por um tempo maior poderia reduzir a oferta de drogas nas ruas. “Estamos lidando com pessoas que estão morrendo. Esse projeto quer diminuir a quantidade de droga ofertada. O que justifica o aumento de usuários é a oferta”, argumentou.
O parlamentar gaúcho disse ainda que o gasto do Estado com o tratamento de um dependente químico pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é maior que o custo de um traficante preso.
Crítico da nova lei antidrogas, o líder do PSOL, Ivan Valente (SP), se posicionou contra a proposta no plenário. O deputado paulista alegou que as prisões brasileiras não cumprem o papel de recuperar e reintegrar o preso à sociedade.
“O sistema carcerário brasileiro faz com que um amador saia de lá um profissional do crime. O projeto potencializa o uso de drogas”, disse em discurso na tribuna da Câmara.
Mesmo depois de o relator promover alterações no texto a pedido do governo, integrantes do PT continuaram pressionando para que a nova legislação distinguisse os líderes do tráfico de drogas dos traficantes de menor expressão. 
“Esse projeto agrava o problema social brasileiro relacionado às drogas. Nós podemos estar piorando a situação das drogas”, reclamou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP).
Em meio à votação, o relator do projeto acolheu uma emenda de Teixeira que prevê a redução de um sexto a dois terços da pena para os traficantes que não forem reincidentes e não integrarem organização criminosa. De acordo com a emenda, os juízes terão autonomia para reduzir a pena dos acusados de tráfico de entorpecentes quando as “circunstâncias do fato e a quantidade da droga apreendida demonstrarem o menor potencial lesivo da conduta”.
Osmar Terra criticou a emenda acatada pelo relator. “Eu sou a favor de prender todos os traficantes, do pequeno ao grande. É o pequeno que vai viciar o meu filho na escola, no bairro. Um pequeno traficante precisa viciar de 20 a 30 meninos por ano para se viabilizar financeiramente”, disse o autor da proposta. “Paulo Teixeira está preocupado com o traficante, eu estou preocupado com quem ele vicia”, alfinetou o deputado do PMDB.
Em resposta ao autor do projeto de lei, Teixeira argumentou que o pequeno traficante deve ter tratamento diferenciado e mais brando, pois, segundo ele, em muitos casos a venda da droga serve para sustentar o vício.
Comunidades terapêuticas
Além de prever internações involuntárias e maior rigor nas penas contra grandes traficantes, os deputados criaram novas regras para o acolhimento de dependentes em Comunidades Terapêuticas Acolhedoras.
Conforme o texto, a permanência dos usuários de drogas nesses estabelecimentos de tratamento poderá se dar apenas de forma voluntária. Para ingressar nessas casas, segundo o projeto, o paciente terá de formalizar por escrito seu desejo de se internar nas comunidades.

A proposta estabelece que esses locais devem servir de “etapa transitória para a reintegração social e econômica do usuário de drogas”. E mesmo se o paciente manifestar o desejo de aderir às comunidades, será exigido uma avaliação médica prévia do dependente.
O texto ressalta ainda que, para realizar a avaliação médica, as comunidades terapêuticas acolhedoras terão “prioridade absoluta” na utilização da rede de atendimento do SUS.
Reserva de vaga
Com o objetivo de facilitar a reinserção social do usuário de drogas, a proposta prevê uma cota mínima de emprego em obras públicas para dependentes em recuperação. Pela proposta, as empresas vencedoras de licitação para obras públicas deverão reservar 3% dos postos de trabalho para ex-usuários de drogas que estejam em tratamento.
"As licitações de obras públicas que gerem mais de 30 postos de trabalho deverão prever, nos contratos, que 3% do total de vagas sejam destinadas à reinserção econômica de pessoas atendidas pelas políticas sobre drogas", diz o texto. O líder do PDT, André Figueiredo (CE), criticou o dispositivo. “Não podemos incentivar o demérito, ou seja, que aquele que nunca usou droga possa ser prejudicado pelo que já usou”, argumentou.

sábado, 20 de abril de 2013

CASA DAS MOÇAS - PRECISAMOS SUA AJUDA

Uma grande, idônea e séria empresa (http://www.projetosgratis.com.br/, que com louvor recomendamos), fez-nos a doação desta planta para que possamos construí-la como local de internação das moças em situação de recuperandas na ASBEVE. Assim, temos o local, temos a planta, temos quem nos ajuda a fazer em mutirão, mas faltam-nos ainda os materiais para que tudo isto, e todo nosso projeto de resagatar vidas, se torne realidade. Isto significa: SIM, PRECISAMOS DA SUA AJUDA.
Entre em contato conosco, e ajude-nos a realizar não um sonho, mas uma realidade para que possamos juntos resgatar vidas das drogas que de forma tão cruel têm destruido vidas e famílias.
Fale conosco: (33) 3084.1378/ 9968.4552/ 8801.4277 [Pr. Dhennis Wheberth]. Se quiser ajudar de forma anônima, compre materiais e mande entregar em nosso endereço: Av. Altino Marques, 2827/2873(estrada para Derribadinha)- Chácaras Encosta do Sol (depois do bairro Elvamar) - Governador Valadares MG. Se desejar, pode também depositar sua contribuição, por menor que pareça ser, no Banco do Brasil, conta corrente 32.653-4 e Agência 2296-9. Precisamos da sua ajuda e não nos envergonhamos disto. Que Deus, em Cristo Jesus, abençoe você e sua casa!

MATERIAIS QUE PRECISAMOS COM URGÊNCIA:

RELAÇÃO DOS MATERIAIS
CASA DAS MOÇAS 
Quant.
Un.
Descrição



100
Areia Lavada
30
Brita nº 02
20
Brita nº 01
400
saco
Cimento
15
kg
Prego 19x36/17x27/15x15
10
kg
Arame recozido
100
un.
Varas de Ferro 3/8
80
un.
Varas de Ferro 5/16
12000
un.
Tijolos 18x18
01
un.
Porta de Madeira 0,80x2,10
08
un.
Porta de Madeira 0,70x2,10
01
un.
Porta de Madeira 2,00x2,10
07
un.
Janela  de Madeira1,00x1,20
09
un.
Janela  de Madeira1,50x2,00
03
un.
Janela  de Madeira2,00x2,00
02
un.
Janelão 3,00x2,10
00
un.
Basc.de Aluminio 0,60x0,60
60
un.
Peças 12x6x5mts
30
un.
Peças 12x6x4mts
20
un.
Peças 12x6x3,50mts
100
un.
Caibros 6x5x4mts
1500
m
Ripa
0
un.
Telhas
500
un.
Telhas Cumieiras
5000
un.
Telhas Colonial
01
un.
Poste de Concreto c/6mts
01
un.
Rex c/2 Roldanas
01
un.
Caixa Metálica
16
un.
Interruptores Externos
20
un.
Tomadas Externas
06
un.
Rolos de Fita Isolante 10mts
400
m
Fio 6mm
400
m
Fio 4mm
400
m
Fio 2,5mm
16
un.
Receptáculos
16
un.
Lâmpadas
01
un.
Caixa D'Agua 1.000L
01
un.
Bóia 1/2
01
un.
Flange 1/2
20
un.
Joelhos 1/2 Soldável
15
un.
Tee de 3/4 Soldável
15
un.
Joelhos 3/4 Soldável
15
un.
Joelhos 3/4 Cola e Rosca
15
un.
Reduções de 3/4 x 1/2
05
un.
Rabischos de 1/2 Longo
02
un.
Registro de Gaveta 3/4
02
un.
Registro de Canopla 3/4
02
un.
Torneira p/Pia
03
un.
Torneira p/Lavatório Metal
05
un.
Tubos de Cola 90ml
05
un.
Rolo de Fita Teflon 10mts
01
un.
Pia
03
un.
Lavatórios
03
un.
Vasos
12
un.
Parafusos c/Buchas /Pvaso
03
un.
Papeleira
03
un.
Saboneteira
03
un.
Descarga Completa
04
un.
Ralo Sinf. c/3 Ent. e 1 Saída
02
un.
Válvulas deSaída de Pia
02
un.
Válvulas Red. Saída de Pia
05
un.
Tubo de 40mm c/ 6mts
20
un.
Joelhos de 40mm
10
un.
Tubos de 100mm c/6
10
un.
Joelhos de 100mm
06
un.
Galões Tinta Óleo 3.600ml
03
un.
Pincel 1''
03
un.
Rolo de Espuma 10cm
60
un.
Lixas de Parede
02
un.
Broxa Retângular
40
saco
Cal
40
saco
Globofix
03
lt
Água Raz
140
Laje Pré-Moldada



300
m
Tábuas de pinus